E geral@fundoarquitecturasocial.pt
T +351 962364460 / +351 933804511

Copyright 2007-2012
Built with Indexhibit

MORALÁ CASTELO . PROJECTO DE REQUALIFICAÇÃO URBANA DO BAIRRO DO CASTELO E ZONA ENVOLVENTE, LISBOA.

O bairro do Castelo, lugar onde se fundou a cidade de Lisboa, é um bairro com uma identidade e características muito próprias. É um pequeno núcleo urbano muralhado com apenas uma entrada/saída, e que integra o monumento mais visitado da cidade de Lisboa, o Castelo de São Jorge, com cerca de 3700 visitantes por dia (dados fornecidos pela EGEAC).
Tal como tem acontecido noutras zonas do centro da cidade de Lisboa, este bairro tem vindo a perder muitos habitantes nos últimos anos (587 habitantes em 2001 e 355 em 2011 – dados Censos), sendo que a população residente está muito envelhecida (cerca de 30% tem mais de 65 anos – dados Censos) e, no sentido inverso o número de visitantes do Castelo tem aumentado rapidamente. Consideramos igualmente preocupante a degradação do edificado, tanto devoluto como ocupado sabendo que todos estes factores constituem uma grave ameaça à saudável vida comunitária deste bairro.

Após o trabalho realizado de levantamentos, inquéritos e reuniões de trabalho com os moradores e comerciantes, identificámos outros problemas como o da ausência de espaços públicos de convívio, de lazer e zonas verdes e de estacionamento.
Consideramos agora fundamental a criação de condições para o rejuvenescimento do bairro do Castelo, promovendo uma vida de bairro saudável e ajudando a evitar que as ruas se transformem em meros cenários turísticos, caricaturas de uma cidade que queremos viva e real. É assim um núcleo urbano com fortes indícios de uma necessária intervenção urbana que vise a sua requalificação, tanto ao nível do edificado e espaço público como social.
Reunimos uma lista de objectivos e estratégias que pretende contribuir para a regeneração do bairro num ponto de vista global e sustentável. Enumeramos os objectivos gerais:
. Combater a crescente desertificação do bairro;
. Impulsionar o retorno à vida social comunitária e de entreajuda que se tem vindo a perder de forma drástica nas últimas décadas;
. Promover o emprego e formação profissional a nível local;
. Renovar e ocupar edifícios degradados e/ou devolutos;
. Melhorar os espaços públicos tendo em conta a sua futura vivência, criando também espaços para as crianças e idosos;
. Resolver o problema do estacionamento e acessibilidades;
. Estar atento e acompanhar o turismo crescente estudando contrapartidas para os moradores tendo em conta a sua curta permanência cada vez mais constante e por vezes, excessivamente invasiva.

Estratégias de intervenção
. Impulsionar a criação de uma associação de moradores e comerciantes que represente o bairro na defesa dos seus interesses;
. Estimular a participação activa dos habitantes no processo;
. Inverter o processo de desertificação criando boas condições de vida no bairro, reabilitando a baixo custo e conseguindo rendas baixas;
. Promover o comércio tradicional para usufruto dos moradores (papelaria, tabacaria, padaria, talho, peixaria);
. Re-activar colectividades e tradições antigas de bairro (festas locais, actividades recreativas, passeios, etc);
. Promover a integração de residentes desempregados num projecto comum e local, incluindo a formação (criação do Espaço Moralá Castelo, que albergará actividades e exposições várias; criação de visitas guiadas ao bairro e um roteiro informativo; criação de uma marca do castelo com oficinas do bairro e loja, com produção dos moradores e designers convidados);
. Criar a FAVA RIIIICA, loja social que permitirá colmatar algumas das necessidades da população local através da venda a baixo custo de produtos novos ou usados e em bom estado.
. Fortalecer as relações entre a escola e o bairro;
. Criar uma rede horizontal entre as diversas associações e entidades existentes no território;
. Dar novos usos a edifícios expectantes e degradados, recorrendo a financiamentos e apoios.

O Projecto Moralá Castelo conseguiu um financiamento através do programa BipZip2014 promovido pela CML que que permitiu o seu desenvolvimento mais acelerado de Julho de 2014 até Julho de 2015.